A PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE UMA EMPRESA FAMILIAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MAPEAMENTO DE PROCESSOS ORGANIZACIONAIS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO

Ruben Francisco Orellana Aizprua, André Luís Janzkovski Cardoso

Abstract


Esta pesquisa teve como objetivo entender qual é a percepção dos gestores de uma empresa familiar sobre a utilização do mapeamento de processos organizacionais para a implementação da gestão do conhecimento dentro da organização. Utilizou-se o método qualitativo com tratamento de dados por intermédio da análise de conteúdo, com base na categorização temática; realizaram-se entrevistas com quatro gestores da empresa categorizando as falas de cada respondente e agrupando-as em sete categorias: (1) Situação da Empresa; (2) Cultura Organizacional; (3) Gerenciamento de Processos; (4) Sistema Informatizado da Empresa; (5) Gestão do Conhecimento; (6) Indicadores de desempenho e (7) Valor não compartilhado. Este estudo parte das ideias de Davenport e Prusak sobre gestão do conhecimento como uma forma de evidenciar e materializar o conhecimento tácito dos colaboradores para poder disponibilizá-lo para toda a organização, já que o conhecimento sem ferramentas para compartilhá-lo aos demais membros não oportuniza seu máximo valor. Os resultados mostram que a gestão do conhecimento na empresa familiar analisada, está em processo de construção, mas que ainda falta maior comunicação por parte da diretoria e entre as equipes de todos os departamentos da organização. Este trabalho contribui para destacar a importância do mapeamento de processos, como forma de implementar uma gestão do conhecimento numa empresa familiar, mas sobretudo indica a particularidade quanto à adoção de ferramentas de gestão em uma empresa familiar, pois apesar de serem inicialmente apoiadas, nem sempre são imediatamente adotadas pelas partes envolvidas.


Keywords


Gestão do Conhecimento; Mapeamento de Processos; Cultura Organizacional

References


Barcelos, R. L., Rosa, S. A., & Santos, A. R. da S. dos. (2017). Processo logístico de faturamento: estudo de caso aplicado a uma distribuidora de alimentos. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 7(2), 66–77. https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n2.p66-77.494

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo (4a). Lisboa: Edições 70.

Bauer, M., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (3a). Petrópolis (RJ): Vozes.

Bezerra, M. D. S. M., & Lima, G. B. A. (2011). Sistematização da gestão do conhecimento: um estudo a partir da experiência na elaboração de um Manual de Segurança em uma empresa de energia. Perspectivas Em Gestão e Conhecimento, 1(2), 232–248. Retrieved from http://periodicos.ufpb.br/index.php/pgc/article/view/10342

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto Enfermagem, 15(4), 679–684. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Chagas, G. L. M., & Cardoso, A. L. J. (2018). A adoção do Planejamento Estratégico Municipal e a Geração de Valor compartilhado. Desafio Online, 6(1), 43–69.

Cunha, A. U. D. N. (2012). Mapeamento de Processos Organizacionais na UnB : Caso Centro de Documentação da UnB - CEDOC. Monografia (Universidade de Brasília), 73. Retrieved from http://bdm.unb.br/bitstream/10483/4191/1/2012_AlexUilamardoNascimentoCunha.pdf

Gasparetto, V., & Dornelles, T. (2015). Gerenciamento de Processos: Estudo em uma Organização Hospitalar Catarinense. Revista Gestão Em Sistemas de Saúde, 4(2), 57–72. https://doi.org/10.5585/rgss.v4i2.159

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (E. Atlas, Ed.) (6th ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Gonçalves, J. E. L. (2000). As empresas são grandes coleções de processos. Revista de Administração de Empresas - RAE, 40(1), 6–19.

Heigham, J., & Crocker, R. A. (2009). Qualitative Research in Applied Linguistics: A Practical Introduction. In (J. Heigham & R. A. Crocker, Eds.) (1st ed.). Observation, pp. 165-181, New York: Palgrave Macmilian.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica (Atlas S.A.). São Paulo: Atlas S.A.

Marietto, M. L. (2018). Observação Participante e Não Participante: Contextualização Teórica e sugestão de roteiro para aplicação dos métodos. RIAE-Revista Ibero-Americana de Estratégia, 17(4), 5–18. https://doi.org/10.5585/ijsm.v17i4.2717

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de Conhecimento na Empresa: Como as Empresas Japonesas Geram a Dinâmica da Inovação. In (M. Swirski, A. B. Rodrigues, & P. M. Celeste, Eds.) (20a) Conhecimento Organizacional, pp. 34-72, Rio de Janeiro: Campus/Elsevier.

Pereira, K. A., David, J., & Sales, A. (2015). O secretário executivo como gestor de mudanças organizacionais no setor automobilístico. Revista de Gestão e Secretariado - GeSeC, 6(2), 44–64.

Pinochet, L. (2016). Uso Estratégico dos Sistemas de Informação no apoio aos Processos de Negócio : Estudo de Caso na Indústria de Alimentos. Revista Administração Em Diálogo, 18(3), 01–25. https://doi.org/10.20946/rad.v18i3.25110

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2011). The Big Idea : Creating Shared Value. Hardvard Business Review, 89(1–2), 1–12. Retrieved from https://philoma.org/wp-content/uploads/docs/2013_2014_Valeur_actionnariale_a_partagee/Porter__Kramer_-_The_Big_Idea_Creating_Shared_Value_HBR.pdf

Proença, W. de L. (2007). O Método da Observação Participante : Contribuições e aplicabilidade para pesquisas no campo religioso brasileiro. Revista Aulas, Dossiê Rel(4), 1–24. Retrieved from http://www.unicamp.br/~aulas/Conjunto III/4_23.pdf

Rizzetti, D. M., Cunha, D. E., Moura, G. L. de, & Schlosser, A. L. da C. (2015). Padronização de Processos e Rotinas no Núcleo de Controle e Manutenção do Sistema de Pagamento. Teoria e Prática Em Administração, 5(1), 239–260.

Rossetti, A. G., & Morales, A. B. (2002). O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciencia Da Informação, 36(1), 124–135.

Sentanin, O. F. (2003). Gestão por processos em uma empresa de P & D. Anais ENEGEP 2003. Ouro Preto, MG.

Shigunov Neto, A. (2011). A Importância Do Conhecimento Para O Desenvolvimento Organizacional: discussões preliminares. Qualit@s Revista Eletrônica, 1(1), 1–10. Retrieved from http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/view/1171

Soleti, I. F., & Alves, J. N. (2013). Estudo sobre a aplicação dos processos do programa de qualidade em uma organização de máquinas e implementos agrícolas. ROC - Revista Organizações Em Contexto, 9(17), 321–341.

Sousa Neto, M. V., & Medeiros Junior, J. V. (2008). Afinal, o que é business process management (bpm)? Um novo conceito para um novo contexto. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 7(2), 1–19. https://doi.org/10.5329/RESI.2008.0702009

Tarifa, M. R., & Almeida, L. B. de. (2019). A tipificação de cultura organizacional na perspectiva da contabilidade. Enfoque Reflexão Contábil, 38(1), 33–46. https://doi.org/10.4025/enfoque.v38i1.39441

Watson, T. J. (2005). Organização e Trabalho em Transiçao: da Lógica “Sistêmico-Controladora” à Lógica “Processual-Relacional.” RAE - Revista de Administração, São Paulo, 45(1), 14–23. https://doi.org/10.1590/S0034-75902005000100003

Weske, M. (2007). Business Process Management: Concepts, Languages, Architectures. New York: Springer.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2020.v5i1.151

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.