CIDADES SUSTENTÁVEIS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

Juliana Fabris, Rógis Juarez Bernardy, Simone Sehnem, Andrezza Aparecida Saraiva Piekas

Abstract


O objetivo deste estudo é analisar as percepções de lideranças de Chapecó (SC) sobre o status da cidade sobre os objetivos do Programa Cidades Sustentáveis. Foram feitas entrevistas in locoe gravadas. Os dados foram transcritos na íntegra e partiram do software AtlasTi. Os evidenciam a formação dos polinúcleos urbanos que se tornam uma cidade média mais equilibrada. Isso torna uma cidade mais sustentável em termos de distribuição espacial. No entanto, o planejamento é que o primeiro uso seja consolidado no setor residencial, continuado após o surgimento de atividades econômicas. Esta, pela sua vez, depende dos níveis de renda, da infraestrutura e da sua ligação com o entorno, dos serviços públicos e da saturação da área urbana central. A avaliação de uma cidade da cidade de chapecorpored


Keywords


Sustentabilidade; Cidades Sustentáveis; Dinâmica urbana.

References


AC. (2017, 18 de abril). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Acselrad, H. (2009).A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Editora Lamparina, 2009.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR 9050:2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado de http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_24.pdf.

Barbosa, J. A., Bragança, L., & Mateus, R. (2014). New approach addressing sustainability in urban areas using sustainable city models. International Journal of Sustainable Building Technology and Urban Development, 5(4), 297–305.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bibri, S. E. (2018). A foundational framework for smart sustainable city development: Theoretical, disciplinary, and discursive dimensions and their synergies. Sustainable Citiesand Society, 38, 758–794.

CD. (2017, 16 de maio).Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Cheshmehzangi, A. (2016). City Enhancement beyond the Notion of “sustainable City”: Introduction to Integrated Assessment for City Enhancement (iACE) Toolkit. In Energy Procedia (Vol. 104, pp. 153–158).

Capel, H. (2005).La ciudades elmejor invento humano. Barcelona, 2005. Recuperado de: http://www.bifurcaciones.cl/003/Capel.htm.

Clayton, N.; Morris, K. (2010). Recession, Recovery and Medium-Sized Cities. Recuperado de:

http://www.redbcm.com.br/arquivos/bibliografia/recession,%20recovery%20and%20medium-sized%20cities.pdf.

CO. (2017, 15 de maio). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Cohen, B. (2006). Urbanization in developing countries: Current trends, future projections, and key challenges for sustainability. Technology in society, 28(1-2), 63-80.

CV. (2017, 07 de abril). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

De Jong, M., Joss, S., Schraven,D., Zhan, C., &Weijnen, M. (2015). Sustainable-smart-resilient-low carbon-eco-knowledge cities; Making sense of a multitude of concepts promoting sustainable urbanization. Journal of Cleaner Production, 109, 25–38.

EM.(2017, 15 de maio).Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Geddes, P. (1994). Cidades em evolução. Campinas: Papirus.

Gonzalez-Garcia, S., Manteiga, R., Moreira, M. T., &Feijoo, G. (2018). Assessing the sustainability of Spanish cities considering environmental and socio-economic indicators.Journal of Cleaner Production, 178, 599–610.

Höjer, M., &Wangel, J. (2014). Smart sustainable cities: Definition and challenges. Advances in Intelligent Systems andComputing, 310, 333–349.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017a). Cidades IBGE. Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/chapeco/panorama.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017b). Cidades IBGE. Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/chapeco/pesquisa/38/47001?tipo=ranking.

Jarrar, O. M., & Al-Zoabi, A. Y. (2008). The applicability of sustainable city paradigm to the city of Jerusalem: Criteria and indicators of efficiency. Building and Environment, 43(4), 550–557.

Kim, Y. (2018). Mandalay, Myanmar: The remaking of a South-east Asian hub in a country at the crossroads. Cities, 72, 274–286.

LC. (2017, 30 de março). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Lei Complementar n. 541, de 26 de novembro de 2014. Aprova o Plano Diretor de Chapecó - PDC. Recuperado de https://leismunicipais.com.br/a/sc/c/chapeco/lei-complementar/2014/55/541/lei-complementar-n-541-2014-aprova-o-plano-diretor-de-chapeco-pdc-2018-04-06-versao-consolidada.

Lei n. 6.847, de 14 de março de 2016. Institui o plano municipal de mobilidade urbana de Chapecó e dá outras providências. Recuperado de https://leismunicipais.com.br/a/sc/c/chapeco/lei-ordinaria/2016/684/6847/lei-ordinaria-n-6847-2016-institui-o-plano-municipal-de-mobilidade-urbana-de-chapeco-e-da-outras-providencias.

Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm.

Lin, C.C.R. (2011Cidades criativas e governança urbana: a história de duas cidades em Taiwan: Taipei e Kaohsiung. In: Reis, A.C.F.,& Kageyama, P. (Orgs). Creative City Perspectives (1. ed., 150-161).Garimpo de Soluções & Creative Cities Productions, São Paulo. Recuperado de http://garimpodesolucoes.com.br/wp-content/uploads/2014/09/Livro_Cidades_Criativas_Perspectivas_v1.pdf.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman Editora.

Merriam, S. B., &Tisdell, E. J. (2015).Qualitative Research: A Guide to Design and Implementation.4 ed. San Francisco: John Wiley& Sons.

Monteiro A. Neto, Castro, C. N. de, & Brandão, C. A. (2017). Desenvolvimento regional no Brasil: políticas, estratégias e perspectivas. (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea). Recuperado de http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7450.

Mozzato, A. R.; Grzybovski, D. (2011).Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v15n4/a10v15n4.

MP. (2017, 30 de março). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes, Criativas e Sustentáveis. Chapecó, SC.

Nações Unidas no Brasil (2018). Momento de ação global para as pessoas e o planeta. Recuperado em: https://nacoesunidas.org/pos2015/.

Nevens, F., Frantzeskaki, N., Gorissen, L., & Loorbach, D. (2013). Urban Transition Labs: Co-creating transformative action for sustainable cities. Journal of Cleaner Production, 50, 111–122.

Portugal. (2013). Conferência Cidades Sustentáveis 2020. Lisboa. Recuperado de

http://www.ccdr-lvt.pt/pt/conferencia-internacional---cidades-sustentaveis-2020/7952.htm.

Programa Cidades Sustentáveis. (2012). Programa Cidades Sustentáveis. Secretaria Executiva da Rede Nossa São Paulo. Recuperado de http://www.cidadessustentaveis.org.br/downloads/publicacoes/publicacao-programa-cidades-sustentaveis.pdf.

Ramos, E. F., Matos, R. E. da S., & Garcia, R. A. (2011). As Cidades Médias Como Nódulos De Equilíbrio Da Rede De Cidades. Revista Paranaense de Desenvolvimento, 121, 41–63. Recuperado de http://www.ipardes.pr.gov.br/ojs/index.php/revistaparanaense/article/view/424/687.

Robinson, J. (2018). Comparando a mobilidade das políticas públicas: processos de urbanização, instâncias repetidas e topologias. Revista de Administração Pública, 52(2), 221-243.

Romero, M. A. B. (2007). Frentes do Urbano para a Construção de Indicadores de Sustentabilidade Intra Urbana. Paranoá: cadernos de arquitetura e urbanismo, (4), 47-62.

RU. (2017, 07 de abril). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes e Criativas. Chapecó, SC.

SC. (2017, 18 de abril). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes e Criativas. Chapecó, SC.

SRL. (2017, 06 de abril). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes e Criativas. Chapecó, SC.

SRP. (2017, 31 de março). Entrevista por J. Fabris (gravação em fita). Projeto Estratégias para Cidades Inteligentes e Criativas. Chapecó, SC.

To, K. F.(2006). Sustainable city planning and building design: Case study (Cap. 19). In PLEA 2006 - 23rd International Conference on Passive and Low Energy Architecture, Conference Proceedings.712-I895.

Vieira, J. D. S. R. (2012). Cidades Sustentáveis / Sustainable Cities. Revista de Direito Da Cidade, 4(2), 1–38.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2020.v5i1.160

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.