As Microescalas do Desenvolvimento Regional: Reflexões sobre o Direito à Cidade de Pessoas LGBTQI+

Mariana Barbosa de Souza, Marcio Jose Ornat

Abstract


Objetivo - compreender a relação entre a concepção de desenvolvimento regional, segundo um caminho decolonial, e a vivência cotidiana de pessoas LGBTQI+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, Queer, Intersexuais e outras possibilidades de identidade de gênero e orientação afetiva-sexual), relacionando-as com o Direito à Cidade.

Metodologia/abordagem (obrigatório): A metodologia empregada baseia-se especialmente em contraposições de análises de autores e autoras e a abordagem teórica adotada parte do conhecimento decolonial, envolvendo teorizações combinadas.

Originalidade/Relevância (obrigatório): A sua originalidade e relevância são justificadas pela desvinculação da produção teórica do modelo hegemônico, em favor de um pensamento que permita vislumbrar outros modos de vida, relacionados às pessoas LGBTQI+, o que também se apresenta enquanto uma contribuição social.

Principais resultados (obrigatório): Como resultado constatou-se que a efetivação do Direito à Cidade da população LGBTQI+ perpassa por questões que vão além da segurança e do combate à LGBTfobia, porque o Direito à Cidade é amplo. Emerge a necessidade de pensar políticas públicas, ações e mecanismos de transformação social e outras pesquisas que discutam o tema.

Contribuições teóricas/metodológicas (obrigatório): Teoricamente e metodologicamente evidenciou-se que o desenvolvimento regional tem de ser compreendido para além de indicadores econômicos e que a categoria gênero mostra-se enquanto uma elaboração social e cultural, sobretudo quando pensada a partir da decolonialidade.


Keywords


Gênero; Desenvolvimento Regional; LGBTQI+; Direito à Cidade

References


ALCOREZA, Raúl Prada. (2015). Filosofía, literatura y colonialidad. Lecturas de narrativas. 1ª ed. Amazon, edição eletrônica.

ATLAS DA VIOLÊNCIA. (2019). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

BUTZKE, Luciana; THEIS, Ivo Marcos; MANTOVANELLI JÚNIOR; OKLINGER. (2019). Existe alguma região para desenvolver? Um questionamento desde o pensamento social latino-americano. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 14, n. 2, 2018, p. 91-106. Disponível em: http://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/3586/660. Acesso em: 24 mar. 2019.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. (2005). In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, p. 55-70.

ESTEVA, Gustavo. Desenvolvimento. (2000). In: SACHS, Wolfgang (ed.). Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, p. 59-83.

FEDERICI, Silvia. (2017). Calibã e a bruxa: Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução: coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante.

GRUPO GAY DA BAHIA. (2018) Mortes Violentas de LGBT+ no Brasil. Relatório 2018. Disponível em: < https://homofobiamata.files.wordpress.com/2019/01/relatorio-2018-1.pdf>. Acesso em 25 set. 2019.

GUDYNAS, Eduardo y ACOSTA, Alberto. (2011). La renovación de la crítica al desarrollo y el buen vivir como alternativa. Universidad de Zulia -Maracaibo. Revista Utopía y Praxis Latinoamericana. Pág. 71-83.

HARVEY, David. (2012). O direito à cidade. Revista Piauí, Edição 82, Julho. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2019.

IACOVINI, Rodrigo Faria G. (2019). O que o Atlas da Violência e o STF têm a ver com o direito à cidade da população LGBT?. Disponível em: < http://www.justificando.com/2019/06/06/o-que-o-atlas-da-violencia-e-o-stf-tem-a-ver-com-o-direito-a-cidade-da-populacao-lgbt/?fbclid=IwAR3GMKOMc180oTI9UI34_tpb5V9OOBhjgaWSz4jZb-LblSMaKAOrUg0b9QI>. Acesso em 29 set. 2019.

INTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. (2019). Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2019.

LANDER, Edgardo. (2005). Ciências Sociais: Saberes Coloniais e Eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo. (Org.). A Colonialidade do Saber. Eurocentrismo e Ciências Sociais. Buenos Aires: Clasco, p. 21 – 54.

LEFEBVRE, Henry. (2001). O direito à Cidade. São Paulo: Centauro. 144p.

MÉSZÁROS, István. (2002). Para além do Capital. São Paulo: Boitempo.

MIGNOLO, Walter D. (2007). La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa.

PELÚCIO, Larissa. (2014). Possible Appropriations and Necessary Provocations for a Teoria Cu. In: LEWIS, Elizabeth Sara; BORBA, Rodrigo; FABRÍCIO, Branca Falabella; PINTO, Diana de Souza (Orgs.). Queering Paradigms IV South-North Dialogues on Queer Epistemologies, Embodiments and Activisms. Bern: Peter Lang, v. 4, pp. 31-52.

QUIJANO, Aníbal. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, p. 227-278.

SANTOS, Adelaine Ellis Carbonar; ORNAT, Marcio Jose. (2017). Pelo espelho de Alice: homofobia, espaço escolar e prática discursiva. Curitiba: Appris.

SCOTT, Joan Wallach. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul/dez.

_____. (1998). La Citoyenne Paradoxale: les féministes françaises et les droits de l’homme. Paris: Albin Michel.

SEGRERA, Francisco López. (2005). Abrir, “impensar” e redimensionar as ciências sociais na América Latina e Caribe. É possível uma ciência social não eurocêntrica em nossa região? In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 203-226.

SILVA, Joseli Maria. (2014). Gênero e espaço: esse é um tema da Geografia? In: AZEVEDO, Daniel Abreu de; MORAIS, Marcelo Alonso; (Orgs.). Ensino de Geografia. Novos temas para a geografia escolar. Rio de Janeiro: Consequência. p. 143-182.

SILVA, Joseli Maria; ORNAT, Marcio Jose; CHIMIN Júnior, Alides Baptista. (2017). Geografias feministas e pensamento decolonial: a potência de um diálogo. In: SILVA, Joseli Maria; ORNAT, Marcio Jose; CHIMIN Júnior, Alides Baptista. (Org.). Diálogos ibero-latino-americanos sobre geografias feministas e das sexualidades. Ponta Grossa: Todapalavra, 11-30.

SOUZA, Marcelo Lopes de. (1997). Algumas notas sobre a importância do espaço no desenvolvimento social. Território, v. 2, n. 3, p. 14 – 35, 1997.

SOUZA, Mariana Barbosa de; VIEIRA, Otávio J. Zini. (2016). Transexualidade – A quebra de paradigmas à luz do Biodireito. Rev. Fac. Direito UFMG, Belo Horizonte, n. 68, pp. 587-608, jan./jun. DOI: 10.12818/P.0304-2340.2016p587.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. (2019). STF enquadra homofobia e transfobia como crimes de racismo ao reconhecer omissão legislativa. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

TRANSREPCT. (2019). Comparative research data on 190 countries worldwide. Disponível em: < https://transrespect.org/en/>. Acesso em: 25 set. 2019.

VASCONCELLO, Hygino. (2019). Prefeito de Balneário Camboriú vira réu por negar realização de parada LGBT. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2019.

VEIGA, José Eli da. (2005). A História não os absolverá nem a geografia. Campinas: Armazém do Ypê (autores associados).




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2020.v5i1.166

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.