CARTOGRAFIA SOCIAL NAS NARRATIVAS DOS TERRITÓRIOS: O CASO DAS POPULAÇÕES RIBEIRINHAS NA AMAZÔNIA LEGAL

Edson Modesto Araujo jr

Abstract


O território é palco de conflitos na medida em que é um espaço de relações entre os atores sociais. O objetivo desse artigo é compreender de que forma a cartografia social pode ser utilizada nas narrativas dos territórios urbanos. Justifica-se este estudo no uso da cartografia social como ferramenta de legitimação no espaço vivido de comunidades. A metodologia é um estudo de caso em uma comunidade ribeirinha na Amazônia Legal, Brasil, em 2018. Os resultados encontrados retratam a valorização do espaço vivido por meio das narrativas e suas apropriações territoriais na elaboração da cartografia social. As conclusões levam ao uso da cartografia social como ferramenta de construção de memórias inclusive nos territórios urbanos.



Keywords


cartografia social, territórios urbanos, território vivido, narrativas, apropriação simbólica

References


REFERÊNCIAS

ACSELRAD, H., COLI, L. R. (2008). Disputas Cartográficas e disputas territoriais. In: ACSELRAD, Henri (org). Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR.

ALBERDI, R. (2012). Aportes de la cartografía social al desarrollo sustentable: un enfoque desde el territorio. Disponível em: http://fich.unl.edu.ar/CISDAV/upload/Ponenci

as_y_Posters/Eje05/Alberdi_Ramiro/Alberdi_Aportes_de_la%20CartografiaSocial_desarrolloSustentable.pdf. Acesso em: set. 2019.

ANTUNES, R. (2012). A nova morfologia do trabalho no Brasil: reestruturação e precarização. Nueva Sociedad, versão especial em português, p. 44-59, jun. Disponível em: http://www.nuso.org/upload/articulos/3859_1.pdf.

Barcellos C; et al. (2008) Georreferenciamento de dados de saúde em escala submunicipal: algumas experiências no Brasil. Epidemiol, Serv. Saúde, V. 17, N. 1, p. 59-70. Brasília.

BOYNARD, L. M. (2010). Representações do espaço geográfico em disputa: O Movimento Negro brasileiro e as novas cartografias sociais. Revista TAMOIOS. Ano VI. Nº 1, p.110 a 114.

BOYNARD, L.M. (2011) Usos da cartografia anti-racismo nas lutas do movimento negro brasileiro. Revista Geográfica de América Central. Número Especial EGAL, Costa Rica, p. 01-09.

ECKERT, C. (1992). Une ville autrefois minière: La Grand-Combe. Étude d’Anthropologie Sociale. Thèse de Doctorat. Université Paris V, Sorbonne. Avril.

ENNE, A. L. S.; NERCOLINI, M. (2016). Narrativas de memória e territórios inventados: a configuração das identidades e dos lugares como processos culturais. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano, v. 8, p. 1-15.

GIL, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLDSTEIN, R. A. (2012). A cartografia na Estratégia de Saúde da Família: instrumentos para incorporação do território na Atenção Primária à Saúde. Tese Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2012.

GORAYEB, A; MEIRELES, A. J. A. (2014). Cartografia social vem se consolidando com instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores. Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/coep/Publico/consultarConteudoGrupo.aspx?TP=V&CODIGO=C20142610482831.

HAESBAERT, R. (2004). Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. Conferência setembro. Disponível em http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf.

HALL, S. (2001). Cultural identity and diáspora. London: Harvester Wheatsheaf..

IBGE. (2019). Portal da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=ribeirinhos. Acesso em: ago. 2019.

MÉO, G. D. (2001). Géographie sociale et territoires - L’identité: une médiation essentielle du rapport espace/société, Géocarrefour, V. 77, N 2, p. 175-184.

MILAGRES, C. S. F. et al. (2011). Princípios de Cartografia Social em Diagnósticos Participativos em Projetos de Reforma Agrária. Aveiro, Portugal, IV Congresso de Estudos Rurais, Sociedade de Estudos Rurais, fevereiro .

MOORE, E.; GARZÓN, C. (2010). Social Cartography: The Art of Using Maps to Build Community Power. Race, Poverty & the Environment. Fall, 2010.

PECQUEUR, B. A guinada territorial da economia global. Política & Sociedade, n. 14, p. 79-105, abr. 2009.

POLAK, M. (2012). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, V. 5, N. 10.

RAFFESTIN, C. (1993). Por uma geografia do poder. Editora Ática, São Paulo, 1993.

RICOEUR, P. (1994). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

VELHO, G. (1994). Memória, identidade e projeto In: VELHO, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, p. 97-113.

YIN, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2020.v5i1.173

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.