AGENCY CONFLICTS AND ASYMMETRY OF ACCOUNTING INFORMATION: BETWEEN DECISION MAKING AND CORPORATE MANAGEMENT

Kathleen Xavier de Almeida, Ruan Carlos dos Santos, Maria do Socorro Silva Mesquita, Rosimery Alves de Almeida de Lima

Abstract


Objective - The registration and disclosure of the company's accounting information, attributed to the accounting professional, is of utmost importance for the decision making process for the company-manager. This theoretical essay presents and discusses the main contributions of the theory on management decision making between the company and the accounting process.

Methodology - In methodological terms, this study is defined as a theoretical essay, in the sense that it seeks, through the existing literature, an understanding of the issue of Corporate Governance in Non-Governmental Organizations. This study can be classified as a theoretical-conceptual bibliographic research. The study will search the existing literature of the theme, with the purpose of elaborating a theoretical reference on Agency Theory, Accounting and Corporate Governance.

Results - As a contribution to the discussion, this work was developed from extensive bibliographic research in Brazilian and international journals and events, contemplating foundations related to the reality of Accounting and organizations. Although few researches address the association of these theories with accounting practice, especially regarding the production of accounting information for external users, the research findings expose the close relationship between the two fields of knowledge. 

Contributions - Among the main contributions of decision theories to accounting science, knowledge about human behavior that can be used in behavioral accounting, the need for subsidies for accountants to make more rational decisions and, especially, the possibility of improving accounting systems, aiming at better treatment of information for the decision-making process, stand out.


Keywords


Decision-Making; Process Decision; Behavioral Finance; Corporate Governance

References


Abreu, M., & Mendes, V. (2010). Financial literacy and portfolio diversification. Quantitative finance, v. 10, n. 5, p. 515-528.

Ackert, L. F. (2014). Traditional and Behavioral Finance In: Baker, H. K., & Ricciardi, V. The Psychology of Financial Planning and Investing. NJ: John Wiley & Sons, p. 25-41.

AICPA. American Institute of Certified Public Accountants. (2014) Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2019.

Albuquerque, A. F., & Escrivão Filho, E. (2005). Administrar é decidir: a visão de Herbert A. Simon. Revista de DCS. Três Lagoas, ano 1, n.1, nov.

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2010). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2001). Sistemas de controle gerencial. São Paulo: Atlas.

Araújo, D. R. de, & Silva, C. A. T. (2006) Aversão à Perda nas Decisões de Risco. In: Congresso Usp Iniciação Científica Em Contabilidade, 3, São Paulo. Anais, São Paulo: USP, 2006.

Arruda, G. S. de, Madruga, S. R., & Freitas Jr., N. I. de. (2008). A Governança Corporativa e a Teoria da Agência em Consonância com a Controladoria. Revista de Administração da UFSM, 1(1), 71-84.

Baker, H. K., & Ricciardi, V. (2014). How biases affect investor behaviour. The European Financial Review, p. 7-10.

Barako, D. G., Hancock, P., & Izan, H. (2006). Factors influencing voluntary corporate disclosure by Kenyan companies. Corporate Governance: An International Review, 14(2), 107-125.

Barbedo, C. H. da S., & Camilo-Da-Silva, E. (2008). Finanças Comportamentais: Pessoas inteligentes também perdem dinheiro na bolsa. São Paulo: Atlas.

Barberis, N. C., & Thaler, R. H. (2003). A Survey of Behavioral Finance. Handbook of the Economics of Finance. Elsevier North Holland, v. 1, parte B, chapter 18, p. 1053 -1128.

Barberis, N., Huang, M., & Santos, T. (2001). Prospect theory and asset prices. The Quarterly Journal of Economics, 116, P. 1-53.

Barreto, P. S., Macedo, M. A. S., & Alves, F. J. S. (2014). Os Efeitos Framing e Certeza sob a Ótica da tomada de Decisão em Ambiente Contábil. RACEF – Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Edição 10/2014, p. 1-16.

Barreto, P. S.; Macedo, M. A. S.; Alves, F. J. S. (2013). Tomada de Decisão e teoria dos prospectos em ambiente contábil: uma análise com foco no Framing Effect. RGFC, v.3, n.2, p.61-79.

Barreto, P. S., Da Silva Macedo, M. Á., & Dos Santos Alves, F. J. (2013) Tomada de decisão e teoria dos prospectos em ambiente contábil: uma análise com foco no efeito framing. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 61-79.

Bazerman, M. H., & Moore, D. (2010). Processo decisório. Elsevier, Rio de Janeiro.

Blavatskyy, P. (2013). Which decision theory?. Economics Letters, v. 120, n. 1, p. 40-44.

Bergh, D. D., Ketchen, D. J., Orlandi, I., Heugens, P. P. M. A. R., & Boyd, B. K. (2018). Information Asymmetry in Management Research: Past Accomplishments and Future Opportunities. Journal of Management, Vol45 issue: 1, page(s): 122-158.

BERTOLIN, R. V. et al. (2008). Assimetria da Informação e Confiança em Interações Cooperativas. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 59- 81.

Bianchi, M. A Controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa e de redução dos conflitos de interesse entre principal e agente. São Leopoldo: UNISINOS, 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2005.

Bikas, E. et al. (2013). Behavioural finance: The emergence and development trends. Procedia-social and behavioral sciences, v. 82, p. 870-876.

Borsato, J. M. L. S. (2009). Finanças Comportamentais: um estudo descritivo dos vieses ancoragem e falácia da conjunção. Mestrado em Administração, Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Bushman, R., & Smith, Abbie. (2001). Financial accounting information and corporate governance. The Jornal of Accounting and Economics. n. 32, 237-333.

Campos, C. C. L. da S., Fontana, L. M., Ferreira, R. A. B., Passos, I. C. (2017). A subordinação da contabilidade à administração: Um estudo a luz da teoria da agência. Revista Espacios, vol. 38, n. 24, pp. 12-24.

Caravantes, G., Panno, C., & Kloeckner, M. (2005). Administração: teorias e processo. São Paulo: Pearson.

Cardoso, R. L., Riccio, E., & Lopes, A. B. (2008) O processo decisório em um ambiente de informação contábil: um estudo usando a teoria dos prospectos. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, São Leopoldo, v. 5, n. 2, p. 85-95, maio/ago.

Carvalho, F. L. de, & Kalatzis, A. E. G. (2018). Earnings quality, investment decisions, and financial constraint. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(4), 573-598.

Castro Jr, F. H. F., & Fama, R. As novas finanças e a teoria comportamental no contexto da tomada de decisão sobre investimentos. Caderno de Pesquisa em Administração, São Paulo, v. 09, n. 02, p. 25-35, 2002.

Certo, S. C. (2005). Tomada de decisões. In: Certo. S. C. Administração moderna. 9. ed. São Paulo: Pearson, cap. 7, p. 123-145. Correia, T. de S., & Martins, O. S. (2015). Estrutura de propriedade e controle e assimetria de informação no mercado acionário brasileiro. Revista Ambiente Contábil UFRN, v. 7. n.2, p. 270 –288, jul./dez.

Chen, C. X., Lu, H., & Sougiannis, T. (2011). The Agency Problem, Corporate Governance, and the Asymmetrical Behavior of Selling, General, and Administrative Costs. Contemporary Accounting Research, 29(1), 252–282.

Da Silva Macedo, M. A., & Da Silva Fontes, P. V. (2009). Análise do comportamento decisório de analistas contábil-financeiros: um estudo com base na Teoria da Racionalidade Limitada. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 6, n. 11, p. 159-186.

Damodaran, A. (2002). Finanças corporativas aplicadas. Porto Alegre: Bookman.

Dantas, M. M., & Macedo, M. A. S. (2013) O Processo Decisório no Ambiente Contábil: um estudo à luz da teoria dos prospectos. Revista de Contabilidade e Controladoria, Curitiba, v. 5, n.3, p. 47-65, set./dez.

De Ávila, L. A. C. et al. (2016). Behavioral biases in investors'decision: studies review from 2006-2015. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 6, n. 2, p. 112-131.

De Melo, C. L. L., & Silva, C. A. T. (2010). Finanças comportamentais: um estudo da influência da faixa etária, gênero e ocupação na aversão à perda. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 4, n. 8, p. 3-23.

Desender, K., Aguilera, R. V., Crespi, R., & Garcia-Cestona, M. (2013) When does ownership matter? Board characteristics and behavior. Strategic Management Journal, 34(7), 823-842.

Dorow, A. et al. (2008). Finanças comportamentais: uma análise estatística envolvendo os efeitos certeza e reflexo. Revista Cadernos de Economia, v. 12, n. 23, p. 85-100.

Dos Santos, J. O., & Dos Santos, J. A. R. (2005) Mercado de capitais: racionalidade versus emoção. Revista Contabilidade & Finanças-USP, v. 16, n. 37.

Eisenhardt, K. M. (1989). Agency Theory: An Assessment and Review. The Academy of Management Review, Vol. 14, No. 1, pp. 57-74, Jan.

Eng, L. L., & Mak Y. T. (2003). Corporate governance and voluntary disclosure. Journal of Accounting & Public Policy, 22(4), 325-345.

Fagundes, E. Schnorrenberger, D., & Lunkes, R. J. (2018) Aversão ao risco na tomada de decisões organizacionais: análise da literatura e oportunidades de pesquisa. Revista De Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 23, p. 19-36.

Farias, P. R. D. de. (2009). Finanças comportamentais e o estudo de reações do mercado de capitais através de modelos baseados em agentes. 2009. 116 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil.

Fenton-O’creevy, M. et al. (2011). Thinking, feeling and deciding: The influence of emotions on the decision making and performance of traders. Journal of Organizational Behavior. v. 32, 1044–1061.

Garcia, R., & Olak, P. A. (2007). Controladoria Comportamental: constatação empírica de tendências de mudanças no paradigma decisorial quantitativo. In: Congresso Usp Controladoria e Contabilidade, 7, São Paulo. Anais... São Paulo: USP.

Gneezy, U., List, J., & Wu, G. (2006). The uncertainty effect: when a risky prospect is valued less than its worst possible outcome. Quarterly Journal of Economics, 121, 1, p. 283-309.

Halfeld, M., & Torres, F. F. L. (2001). Finanças Comportamentais: aplicações no contexto brasileiro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 02, p-64-71.

Haniffa, R. M.; Cooke, T. E. (2002). Culture, corporate governance and disclosure in Malaysian Corporations. Abacus, 38(3), 317–349.

Haniffa, R. M., & Hudaib, M. (2007). Locating audit expectations gap within a cultural context: The case of Saudi Arabia. Journal of International Accounting, Auditing & Taxation, 16(2), 179-206.

Hambrick, D. C., Misangyi, V. F., & Park, C. A. (2015). The quad model for identifying a corporate director’s potential for effective monitoring: Toward a new theory of board sufficiency. Academy of Management Review, 40(3), 323-344.

Hammond, J. S., Keeney, R. L., & Raiffa, H. (1998). The hidden traps in decision making. Harvard business review, v. 76, n. 5, p. 47-58.

Harakeh, M., Matar, G., & Sayour, N. (2020). Information asymmetry and dividend policy of Sarbanes-Oxley Act. Journal of Economic Studies, ahead-of-print(ahead-of-print). doi:10.1108/jes-08-2019-0355.

Harakeh, M., Lee, E., & Walker, M. (2019). “The effect of information shocks on dividend payout and dividend value relevance”, International Review of Financial Analysis, Vol. 61 No. 1, pp. 82-96.

Healy, P., & Palepu, K. (2001). Information asymmetry, corporate disclosure and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting & Economics, 31, 405–440.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Hoffmann, A. (2007). Social Dimensions of Investor Behaviour. PhD thesis, University of Groningen, Groningen, Holanda.

Iudícibus, S. (2010). Teoria da Contabilidade. 10. ed. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S., Martins, E., Gelbeck, E. R. (2008). Suplemento: manual de contabilidade das sociedades por ações. São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S., & Lopes, A. B. (2004). Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas.

Jones, C., Hesterly, W. S., & Borgatti, S. P. (1997). A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Journal, v. 22, n. 4, p. 911-945, Oct.

Kahneman, D. (2002). Maps of bounded rationality: A perspective on intuitive judgment and choice. Nobel prize lecture, v. 8, p. 351-401.

Kahneman, D., & Tversky, A. (2013). Prospect theory: An analysis of decision under risk. In: Handbook of the fundamentals of financial decision making: Part I. p. 99-127.

Kimura. H., Basso, L. F. C., & Krauter, E. (2006). Paradoxos em Finanças: Teoria Moderna Versus Finanças Comportamentais. Revista de Administração de Empresas - Fórum, São Paulo, v. 46, n 01, p. 41-58.

Kladis, C. M., & Freitas, H. M de. (1995). O processo decisório: modelos e dificuldades. Revista Decidir, v. 2, n. 8, p. 30-34.

Kocher, M. G., & Sutter, M. (2005). The decision maker matters: individual versus group behaviour in experimental beauty-contest games. The Economic Journal, Malden MA, USA v. 115, n. 500, p.200-223, Jan.

Lima, M. V. (2003). Um estudo sobre Finanças Comportamentais. RAEEL, v. 2, n. 1, p. 18-29.

Lodi, J. B. (2000). A Empresa Familiar. São Paulo: Editora Pioneira.

Lopes, A. B. (2004). Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Lopes, A. B., & Martins, E. (2007). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Lucena, W. G. L., Fernandes, M. S. A., Silva, J. D. G. da. (2011). A Contabilidade comportamental e os efeitos cognitivos no processo decisório: uma amostra com operadores da Contabilidade. Revista Universo Contábil, v. 7, n. 3, p. 41-58.

Lustosa, P. R. B., Dantas, J. A., Fernandes, B. V. R., & Silva, J. D. G. da. (2012). A moral do contador brasileiro: uma avaliação por meio da escala ética multidimensional. Revista Contabilidade Vista e Revista, v. 23, n. 1, p. 15-45.

Macedo Jr., J. S. (2003). Teoria do prospecto: uma investigação utilizando simulação de investimentos. 203f. Tese (Doutorado Gestão de Operações) - Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, Brasil.

Macedo, M. A. S., & Fontes, P. V. S. (2009). Análise do comportamento decisório de analistas contábil-financeiros: um estudo com base na teoria da racionalidade limitada. Revista Contemporânea de Contabilidade, v.1, n. 11, p. 159-186.

Martins, V. A., Jeremias Junior, J., & Enciso, L. F. (2018). Agency Conflicts, Corporate Governance and the Brazilian public service: A theoretical essay. RGC, São Paulo, v. 5, n.1.

Maximiano, A. C. A. (2009). Introdução à Administração. São Paulo: Atlas.

Merikas, A. A., Merikas, A. G., George, S., & Prasad, D. (2004). Economic factors and individual investor behavior: The case of the Greek stock exchange. Journal of Applied Business Research, v. 20, n. 4, p. 93-98.

Merikas, A. A. et al. (2004). Economic factors and individual investor behavior: The case of the Greek stock exchange. Journal of Applied Business Research, v. 20, n. 4, p. 93-98.

Moraes, M. C. C. de, Silva, A. M. C. da, & Carvalho, F. A. A. de. (2010). O comportamento dos futuros contabilistas perante diferentes dilemas éticos. Pensar Contábil, v. 12, n. 48..

Monks, R. A. G., & Minow, N. (2011). Corporate governance (5th ed.). Chichester, UK: Wiley.

Nascimento, A. M., & Reginato, L. (2008). Divulgação da Informação Contábil, Governança Corporativa e Controle Organizacional: uma relação necessária. Revista Universo Contábil, v. 4, n. 3, p. 25-47.

Parikh, Parag. (2009). Value investing and behavioral finance. Tata McGraw-Hill Education.

Robbins, S.; Judge, T.; Sobral, F. (2010). Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson.

Rocha, I., Pereira, A. M., Bezerra, F. A., & Nascimento, S. do. (2012). Análise da produção científica sobre teoria da agência e assimetria da informação. REGE, v. 19, n. 2, p. 327-340, abr./jun.

Rogers, P., Securato, J. R., & Ribeiro, K. (2007). Finanças comportamentais no Brasil: um estudo comparativo. Revista de Economia e Administração, São Paulo, v.6, n.1, p. 49-68, jan./mar.

Sá, M. M. (2007) Decisões financeira em condição de risco por gerente, diretores e firmas brasileiras: uma análise baseada nas finanças comportamentais. 144 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil.

Shefrin, H. et al. (2010). Behavioralizing finance. Foundations and Trends® in Finance, v. 4, n. 1–2, p. 1-184.

Santos, R. C. dos, & Inácio-Soares, J. M. (2016). Ensaio Teórico sobre a Governança Corporativa em setores regulados aplicado às concessionárias de rodovias. RGC, São Paulo, v. 3, n.1, art.2, pp. 24-50, out.

Sloan, Richard. (2001). Financial accounting and corporate governance: a discussion. Journal of Accounting and Economics. n. 32, 335-347.

Solino, A. D. S., & El-Aouar, W. A. (2010). O processo de tomada de decisões estratégicas: entre a intuição e a racionalidade. REGE Revista de Gestão, v. 8, n. 3.

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, Jun. p. 737–783.

Shukla, R. (2010). How India earns, spends and saves: unmasking the real India. Índia : SAGE Publications.

Silva, E. C. (2006). Governança Corporativas nas Empresas. São Paulo: Atlas.

Silva, D. J. C. da, Anjos, L. C. M. dos, Miranda, L. C., Souza, L. E. S. de, & Ranciaro Neto, A. (2012). Revisitando a Prospect Theory: seriam os contadores mais racionais? Contexto, v. 12, n. 21, p. 29-40.

Simon, H. A. (1986). Rationality in psychology and economics. The Journal of Business, vol.54 nº. 9, Oct.

Tapscott, D., & Ticoll, D. (2005). A empresa transparente. São Paulo: Makron Books.

Tonetto, L. M., Renck, P. B., & Stein, L. M. (2015). Cognição, Design e Consumo: A racionalidade limitada na tomada de decisão. Estudos em Design, v. 20, n. 2, p. 1-18.

Thaler, R., & Mullainathan, S. (2000). Behavioral Economics. National Bureau of Economic Research. Cambridge, MA, working paper nº 7948, p. 1094-1100, Oct.

Triviños, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.

UNCTAD. United Nations Conference on Trade and Development. (2004). Disclosure of the impact of corporations on society: current trends and issues. New York and Geneva: United Nations Publications.

Vieira, T. R. C. (2012). Finanças comportamentais: um estudo sobre o perfil do investidor, o efeito aversão a extremos e o excesso de confiança nas decisões de investimentos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Espírito Santo Espírito Santo, Brasil.

Vieira, S., & Mendes, A. (2006). Governança Corporativa: uma análise de sua evolução e impactos no mercado de capitais brasileiro. Organizações em contexto, ano 2, nº 3, Jun.

Vieira, T. R. C.; Pereira, A. N. (2009). Finanças comportamentais no Brasil: um estudo bibliométrico (2001-2007). Rege, v. 16, n. 4, p. 45-59.

Von Neumann, J., & Morgenstern, O. (2007). Theory of games and economic behavior (commemorative edition). Princeton university press.

Weston, J. F., & Brigham, E. F. Fundamentos da Administração Financeira. 10. ed. São Paulo: Atlas.

Watts, R., & Zimmerman, J. (1986). Positive accounting theory. NJ: Prentice Hall.

Walter, S. A., Frega, J. R., & Da Silva, W. V. (2010). Análise do comportamento e da percepção do investidor em relação ao risco sob a ótica da teoria de finanças comportamentais. Revista de Administração, v. 45, n. 2, p. 172-187.

Yao, J., & Li, D. (2013). Bounded rationality as a source of loss aversion and optimism: A study of psychological adaptation under incomplete information. Journal of Economic Dynamics and Control, v. 37, n. 1, p. 18-31.

Dos Santos, R. C., & Inacio-Soares, J. M. (2016). Theoretical Essay on Corporate Governance in sectors regulated applied to highway dealers. RGC, São Paulo, v. 3, n.1, art.2, pp. 24-50.

Xie, X. F.; Wang, X. T. (2003). Risk perception and risky choice: Situational, informational and dispositional effects. Asian Journal of Social Psychology, v. 6, n. 2, p. 117-132.

Zhai, J., & Wang, Y. (2016). Accounting information quality, governance efficiency and capital investment choice. China Journal of Accounting Research, 9(4), 251–266.

Zhang, G. (1998). Ownership concentration, risk aversion and the effect of financial structure on investment decisions. European Economic Review, v. 42, n. 9, p. 1751-1778.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2020.v5i2.199

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.