Efeito Mútuo Entre o Crescimento de Novas Empresas e o Desenvolvimento da Sociedade Brasileira: O Papel da Atividade Empresarial nos Estados Brasileiros

Authors

  • Patrícia Sá de Roure Universidade de Brasília
  • Rafael Barreiros Porto Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26668/businessreview/2016.v1i2.14

Keywords:

Atividade empresarial, Novas empresas, Desenvolvimento da sociedade, Classe socioeconômica, Rendimento

Abstract

Algumas tipologias jurídicas empresariais no Brasil podem favorecer ou inibir o desenvolvimento da sociedade, simultaneamente a trajetória desse desenvolvimento pode incentivar ou decair taxas de criação de novas empresas. Porém, essas relações são pouco investigadas na literatura brasileira. A pesquisa visou analisar os efeitos mútuos entre o crescimento de novas empresas (total e subdividido por tipos jurídicos) e o desenvolvimento da sociedade brasileira (classes socioeconômicas e rendimento). Um estudo foi realizado com 297 casos (combinação dos 11 anos com dados das variáveis dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal) do período de 2001 a 2011. Com modelagem econométrica via equações de estimação generalizadas, construíram-se painel de dados por estado. Os resultados demonstram sete padrões de efeitos mútuos de que o crescimento de novas empresas é afetado pelas características da população que fornecem o contexto para seus surgimentos e as novas empresas modificam a sociedade numa relação dinâmica. A pesquisa evidenciou um ciclo de desenvolvimento na realidade brasileira, tendo como um dos principais atores a atividade empresarial.

atividade empresarial; novas empresas; desenvolvimento da sociedade; classe socioeconômica; rendimento

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Patrícia Sá de Roure, Universidade de Brasília

Mestre em Administração pela Universidade de Brasília

Rafael Barreiros Porto, Universidade de Brasília

Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA/UnB)

References

Almeida, J. G., Santos, E. J. R., Albuquerque, C. P., & Ferreira, J. A. (2013). Desemprego e empreendedorismo: da ambiguidade conceitual à eficácia das práticas de intervenção social. PLURAL, 20(1), 31-56.

Ballinger, G. A. (2004). Using generalized estimating equations for longitudinal data analysis. Organizational Research Methods, 7(2), 127-150.

Bielschowsky, R. (2012, dezembro). Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, 21(especial), 729-747.

Braga, T. V. M. (2012, agosto/dezembro) A nova classe média no Brasil: reflexões acerca de suas expectativas. Gestão & Sociedade, 1(2), 1-11.

Campos, T. M., Martens, C. D. P., Resende, M. R. de, Carmona, V. C., & Lima, E. (2013). Produção científica brasileira sobre empreendedorismo social entre 2000 e 2012. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(2), 60-89.

Coelho, F. U. (2014). Manual de direito comercial: Direito de empresa. São Paulo: Saraiva.

Cucculelli, M. (2012). Family firms, entrepreneurship and economic development. Economia Marche Journal of Applied Economics, 31(2), 1-8.

Davidsson, P. (2006). Nascent entrepreneurship: empirical studies and developments. Foundations and Trends in Entrepreneurship, 2(1), 1-76.

Brito, R. P. de, & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem Competitiva e sua relação com o desempenho: uma abordagem baseada em valor. Revista de Administração Contemporânea, 16(3), 360-380.

Faria, M. D., & Carvalho, J. L. F. S. (2011, setembro/dezembro). Planejamento de cenários e amplificação da variabilidade da demanda. Revista Eletrônica de Administração, 17(3), 823-846.

Ferro, J. R., & Torkomian, A. L. V. (1988). A criação de pequenas empresas de alta tecnologia. Revista de Administração de Empresas, 28(2), 43-50.

Fochezatto, A. (2011, janeiro/abril). Estrutura da demanda final e distribuição de renda no Brasil: uma abordagem multissetorial utilizando uma matriz de contabilidade social. Economia, 12(1), 111-130.

Garofoli, G. (1994). New firm formation and regional development: the Italian case. Regional Studies, 28(4), 381-393.

Gartner, W. B. (1985). A conceptual framework for describing the phenomenon of new venture creation. The Academy of Management Review, 10(4), 696-706.

Haug, M. R. (1977). Measurement in social stratification. Annual Review of Sociology, 3, 51-77.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Séries estatísticas. Recuperado de http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/lista_tema.aspx?op=0&no=6#

Kerlinger, F. N. (1973). Foundations of behavioral research. New York, NY: Holt, Rinehart and Winston.

Kirzner, I. M. (1978). Competition and entrepreneurship. Chicago: University of Chicago Press.

Kuznets, S. (1955). Economic growth and income inequality. The American Economic Review, 45(1), 1-28.

Leff, N. H. (1979). Entrepreneurship and economic development: the problem revisited. Journal of Economic Literature, 17(1), 46-64.

Liedholm, C. (2002). Small firm dynamics: evidence from Africa and Latin America. Small Business Economics, 18(1-3), 225-240.

Liedholm, C. E., & Mead, D. C. (2013). Small enterprises and economic development: The dynamics of micro and small enterprises. New York: Routledge.

Lins, A. G., Domingues, I. C. C., Del Corso, J. M., & Costa, J. A. S. (2012, julho/dezembro). Relacionamento entre performance, estratégia, ambiente empresarial e finanças corporativas: um estudo empírico no mercado brasileiro. Revista Capital Científico, 10(2), 49-62.

Martins, R. C. A. (2009). Cooperativas sociais no Brasil: debates e práticas na tecitura de um campo em construção. Sociedade e Estado, 24(3), 900-901.

Metcalfe, J. S. (2004). The entrepreneur and the style of modern economics. Journal of Evolutionary Economics, 14(2), 157-175.

Neri, M. C. (2011). Desigualdade de renda na década. Rio de Janeiro: FGV CPS.

Piff, P. K., Kraus, M. W., Côté, S., Cheng, B. H., & Keltner, D. (2010). Having less, giving more: the influence of social class on prosocial behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 99(5), 771-784.

Pinheiro, F. G. (2011, agosto). Empresa individual de responsabilidade limitada. Conteúdo Jurídico. Brasília/DF. Recuperado em 20 março, 2013, de http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.32963&seo=1

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2011, January/February). Creating shared value. Harvard Business Review, 89(1/2), 62-77.

Reynolds, P., & Miller, B. (1992). New firm gestation: conception, birth, and implications for research. Journal of Business Venturing, 7(5), 405-417.

Robb, A. M., & Robinson, D. T. (2014). The capital structure decisions of new firms. The Review of Financial Studies, 27(1), 153-179.

Romero, I. (2011). Analysing the composition of the SME sector in high-and low-income regions: some research hypotheses. Entrepreneurship & Regional Development, 23(7-8), 637-660.

Scarpin, M. R. S., Roncon, A., Correia, R. B., & Hoeltgebaum, M. (2012). Proposta de indicadores para um observatório de empreendedorismo no Brasil. Estratégia & Negócios, 5(3), 90-121.

Sobottka, E. A., Santos, H. P., Filho, Timm, L. B., Andrade, F., Grijó, E., Carneiro, C., Freitas, F. L. C., Martins, E. D. G., Tavares, T., Boza, G., & Brendler, G. (2010). A junta comercial e o seu papel no desenvolvimento da economia (Resumo do Projeto de Pesquisa apresentado ao Ministério da Justiça/PNUD, no Projeto Pensando o Direito PRODOC BRA/07/004). Série Pensando o Direito, (28), Porto Alegre/Brasília: PUC/RS/ Ministério da Justiça. Recuperado de http://pensando.mj.gov.br/wp-content/uploads/2015/07/28Pensando_Direito3.pdf

Souza, E. C. L., & Lopez, G. S., Jr. (2011). Empreendedorismo e desenvolvimento: uma relação em aberto. Revista de Administração e Inovação, 8(3), 120-140.

Stinchcombe, A. L. (2000). Social structure and organizations. Advances in Strategic Management, 17, 229-259.

Storey, D. J. (1991). The birth of new firms: does unemployment matter? A review of the evidence. Small Business Economics, 3(3), 167-178.

Suzuki, L. A., & Patricoski, M. P. (2013). Psychological assessment: social class, socioeconomic status counseling. In W. M. Liu (Ed.). The Oxford handbook of social class in counseling (Chap. 14). New York: Oxford University Press.

Tigre, P. (2006). Gestão da inovação: A economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Tomazette, M. (2011). Curso de direito empresarial: Teoria geral e direito societário (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Vicenzi, S. E., & Bulgacov, S. (2013, abril). Fatores motivadores do empreendedorismo e as decisões estratégicas de pequenas empresas. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 208-221.

Wiklund, J., Davidsson, P., Audretsch, D., & Karlsson, C. (2011). The future of entrepreneurship research. Entrepreneurship Theory and Practice, 35(1), 1-9.

Published

2016-12-15

How to Cite

Roure, P. S. de, & Porto, R. B. (2016). Efeito Mútuo Entre o Crescimento de Novas Empresas e o Desenvolvimento da Sociedade Brasileira: O Papel da Atividade Empresarial nos Estados Brasileiros. International Journal of Professional Business Review, 1(2), 15–39. https://doi.org/10.26668/businessreview/2016.v1i2.14

Most read articles by the same author(s)